Iluminação de emergência

Apresentação:

Projetos
Centrais de iluminação de emergência adequadas para instalações do tipo predial, comercial, industrial e residencial, alimentadas por baterias de 12V ou 24V até 2000W de potência máxima para lâmpadas incandescentes, fluorescentes e de LED.

Autonomia de funcionamento de acordo com a capacidade da bateria selecionada (em Ah). Tensão de entrada: 127V, 220V ou 380V/60Hz em rede monofásica, bifásica ou trifásica.

Venda sob encomenda
Manutenção, reciclagem otimização e reaproveitamento
de blocos autônomos como luminárias de 12V
Características:
As centrais de iluminação de emergência, são projetadas para sistemas de lâmpadas de 12V ou 24V. A vantagem do sistema de 24V em relação ao de 12V, está na bitola do fio de alimentação para as lâmpadas, que é menor devido a corrente elétrica nas mesmas ser 50% menor.
Potência máxima:

Para lâmpadas incandescentes, fluorescentes ou de LED até 2000W com bateria de 12V ou 24V. Exemplo: com 1440W de potência de carga, é possível a conexão de até: 288 lâmpadas de 5W, ou 144 lâmpadas de 10W, ou 57 lâmpadas de 25W ou 36 lâmpadas de 40W.

É altamente recomendável dar preferência por lâmpadas de LED e na tensão de 12V, que apesar de ter: formatos, potências, tipos e uma disponibilidade de marcas menor em relação as lâmpadas comuns de 127/220V, as lâmpadas de 12V de LED, já trabalham na mesma tensão da bateria, dispensando-se totalmente, a necessidade de investir num equipamento inversor de tensão, tornando a instalação do sistema muito mais simples e de menor custo de manutenção.

Reciclagem e reaproveitamento de bloco autônomos

Em sistemas de iluminação com vários blocos autônomos instalados em grande quantidade, onde verifica-se claramente um elevado custo de mão-de-obra para a reposição e também a troca de baterias dos mesmos, a EVEC Engenharia e Comércio realiza também o reaproveitamento total destes como luminárias de 12V comandados por uma única bateria através de uma central.

Desta forma, através da reciclagem, aproveita-se a ótima eficiência luminosa dos blocos autônomos, combinada com a elevada eficiência de uma bateria estacionária ou automotiva comandada por uma central, o que proporcionará maior vida útil e grande redução de custos para as futuras reposições. Mais detalhes sobre este serviço disponível neste link.

Tempo de autonomia:
É determinada pela capacidade da bateria utilizada em Ah (Ampéres-hora) e pela potência total das lâmpadas utilizadas na saída. Quanto maior a capacidade da bateria (ou menor a potência total das lâmpadas), maior será o tempo de autonomia.

Exemplo: para uma central de 600W, usando uma bateria de 24V, teremos uma corrente de 25 Ampéres (600 / 24 = 25). Dessa forma, uma bateria de 100Ah irá proporcionar 4 horas de autonomia (pois 100/ 25 = 4).

Bateria:
O tipo de bateria mais adequado a uma central, é a bateria do tipo estacionária, que apresenta melhor desempenho e maior vida útil. No entanto, pode ser utilizado bateria automotiva ou qualquer outra, desde que sua voltagem seja obrigatoriamente de 12V ou 24V, ou até mesmo uma associação em série de duas baterias de 12V, para utilização plena em sistemas de lâmpadas de 24V.
Carregador de bateria interno:
É totalmente eletrônico e automático. Basta conectar a bateria aos terminais da central e deixa-la de preferência num local bem arejado e de fácil acesso. Enquanto houver tensão da rede no primário do transformador da central, a carga da bateria se manterá sempre constante. O acompanhamento da carga se faz através de 4 leds coloridos que indicam o estado de carga da bateria conforme a tabela abaixo:
Cor do led:
Para bateria de 12V:
Para bateria de 24V:
Função:
Vermelho
> 13,2V
> 26,4V
Indica carga alta
Verde
>= 12V
>= 24V
Indica carga normal
Amarelo
< 12V
< 24V
Indica carga baixa
Branco
14,25V a 14,5V
28,5V a 29V
Carga completa
Observação:  normalmente sempre um ou dois dos 4 leds estará aceso. Caso nenhum deles acenda, é porque provavelmente houve o acionamento da proteção (fusível ou disjuntor), ou então a bateria descarregou-se por completo, pois neste caso houve uma demora muito longa no retorno da energia elétrica, superior ao tempo máximo de autonomia da bateria. Além dos 4 leds de monitoramento, existe também o led piloto localizado na chave liga-desliga que informa se o carregador está ligado a rede elétrica.
Manutenção preventiva:
Para que a central possa ser utilizada de forma adequada, é indispensável acompanhar periodicamente o estado de conservação dos terminais da bateria, para que não haja oxidação e corrosão dos mesmos, evitando maus-contatos e prolongando a vida útil da mesma.

Caso seja utilizada bateria do tipo chumbo-ácido (PbSO4) não-seladas, é fundamental verificar o nível da solução, pois a cada carga e descarga ocorrerão perdas por evaporação.

Neste caso deve-se completar o nível da solução com água destilada. Isto não será necessário, caso utilize bateria do tipo selada, pois a mesma dispensa estes cuidados.

Proteções:
A central possui fusíveis de ação rápida e/ou disjuntores de proteção interna. É fornecido também um disjuntor externo, que deverá ser instalado externamente ao circuito da central para proteção e comutação das lâmpadas. Este disjuntor possui dupla finalidade: funcionar como chave geral e proteção contra curto-circuito para o circuito das lâmpadas.
Outras características e funcionalidades:
O gabinete é metálico em aço pintado na cor preta ou em alumínio. Pode-se optar por alimentação monovolt (voltagem única) ou bivolt (127/220V).

Em casos específicos, em que o local apresenta boa iluminação natural durante o dia em todos os pontos de luz de emergência, nesse caso é possível solicitar o borne extra para comando por relé fotoelétrico, de modo que, em caso de falta de energia elétrica, a central será acionada somente a noite, evitando-se assim um acionamento totalmente desnecessário das luzes durante o dia num local bem iluminado. Dessa forma, obtém-se maior vida útil da bateria.

Observações finais:
  • Certifique-se antes, se a rede de alimentação das luzes de emergência possui fiação totalmente independente e exclusiva, pois o contato com a rede elétrica de alimentação, pode ocasionar danos a central e também ao equipamento inversor (caso use lâmpadas de 127/220V).
  • Caso haja disponibilidade de rede trifásica no local da instalação da central, é altamente recomendável esta escolha, devido ao desempenho do retificador trifásico interno em ponte de Graetz de 6 diodos do circuito carregador de bateria, ser superior em relação a uma central alimentada em rede monofásica ou bifásica.
  • Se for desejado intervalos longos, priorize lâmpadas de baixa potência e/ou bateria de elevada capacidade. Ao somar a potência de todas as lâmpadas, adquira uma central com potência ligeiramente superior, para ter uma margem de operação totalmente segura.